segunda-feira, 17 de agosto de 2015

A Verdade Sobre o Teresina É Pop



Impossível não ouvir ou ler algum burburinho sobre as ditas “panelas” quando da divulgação das atrações para o Teresina é Pop, evento que ocorre sempre durante as solenidades de comemoração do aniversário da capital piauiense (exceto em 2012 por conta do período eleitoral), antes realizado em três noites e em 2015 com essa novidade negativa e redutiva de apenas duas.

Observando as listas de atrações do evento a partir de 2011 até aqui, percebemos que 15 bandas eram selecionadas(?), divididas em cinco apresentações por noite. A mudança este ano reduziu o número em apenas uma atração, caindo para 14 artistas escolhidos(?) para tocarem em duas noites, o que, óbvio, acarretará em menor tempo no palco, repertório reduzido, passagem de som, troca de instrumentos agoniada, rápida, ligeira, aperreada, para se usar o bom piauiês. Poderia ir além e dizer que tal redução no tempo de show provoca menor interação do artista com o público, logo menos empatia, menos improviso e, claro, multiplica o maquinismo, o engessamento dos músicos. Nada com o que Teresina não esteja acostumada.

Recapitulando e, corrijam-nos se estivermos errados. A partir de 2011 apenas bandas autorais vêm sendo selecionadas para o evento. Em 2010 o The é Pop foi realizado na Praça Ocílio Lago (Praça dos Skatistas) e contou com 18 atrações. Em 2012 a festa, antes realizada na Central de Artesanato e Espaço Cultural Noé Mendes, fora transferida para a alça da Ponte Estaiada na zona Leste de Teresina. No ano seguinte contou com uma feira de serviços e lojas. Em 2014 trouxe uma atração do Maranhão. Em 2013 ensaiou trazer uma do Pará e em 2015 dá para tirarmos ou sugerirmos algumas conclusões.

Utilizamos, com exceção e a partir de 2011, as listas divulgadas em sites oficiais ligados à Prefeitura de Teresina e as bandas mais recorrentes para o relatório abaixo. Decidimos por bem (ou por mal, isso para quem se doer) chamar ou incluir dentro da designação simbólica do que consideram empiricamente “panela, panelinha” no meio musical as bandas com três reincidências ou mais, são elas: Neanderthais, Obtus, Regaplanta, V-Road e Narguilé Hidromecânico, esta que segue para a quarta apresentação a contar de 2011 e as outras duas com três apresentações no evento.

Nomes conhecidos como Fullreggae, Megahertz, Batuque Elétrico, Aclive, Taiguara Bruno, Alcaçuz, Radiofônicos e outros entram para o grupo que denominaremos como Valor de Referência numa reincidência de duas apresentações desde 2011. Inacreditavelmente Validuaté aparece em apenas uma dessas cinco edições analisadas, a de 2011. E o apartheid musical, se não for muito forte usar tal termo, é notado com apenas uma atração do gênero RAP no evento, que foi o grupo Flagrante em 2013.

  1. André de Sousa – 2011, 2012;
  2. Nova – 2011, 2015;
  3. Obtus – 2011, 2013, 2014;
  4. Narguilé Hidromecânico – 2011, 2012, 2014, 2015;
  5. Megahertz – 2012, 2015;
  6. Alcaçuz – 2014, 2015;
  7. Radiofônicos – 2011, 2013;
  8. BR – 316 – 2011, 2012;
  9. Batuque Elétrico – 2011, 2012;
  10. Neanderthais – 2013, 2014, 2015;
  11. Validuaté – 2011;
  12. Scud – 2011, 2012;
  13. Regaplanta – 2012, 2013, 2014;
  14. Cochá – 2015;
  15. Flagrante – 2013;
  16. Fullreggae – 2011, 2012;
  17. Edvaldo Nascimento – 2013, 2015;
  18. Cabesativa – 2011, 2015;
  19. V-Road – 2012, 2013, 2014;
  20. Wake Up, Killer! – 2013, 2014;
  21. Taiguara Bruno – 2012, 2013;
  22. Aclive – 2012, 2015;
Listas:




A Verdade Sobre o Teresina É Pop
  • Blogger Comments
  • Facebook Comments

3 comentários:

  1. São 22 bandas em 4 eventos anuais de 15 bandas...hum...Mais na boa...No final, só quem reclama é a galera das bandas. O publico não tem nada a perder! Eu sei que Teresina tem mais bandas que isso...E falo de bandas serias e profissionais! "Garagem cultural não é Teresina Pop! - A UFPI mandou um Aló". Gostaria de poder ver como são feitas as seleções das bandas...Já que a galera diz que não é esquema! Então por quê a galera não mostra pra gente ver como é que são feitas as seleções!

    ResponderExcluir
  2. Concordo waltson, tem bandas aí que já tão manjadas, já deu, queremos coisas novas!! Por que não mostram como é feito.

    ResponderExcluir
  3. Teresina é uma cidade que nao dá um pingo de oportunidade para bandas novas de mostrar o seu trabalho, seja ele autoral, cover ou etc. Nao é desmerecendo as bandas já consagradas da capital piauiense, que definitivamente merecem o reconhecimento e espaço que tem, porém existem bandas novas com trabalhos também de qualidade que muitas vezes nao tem espaço, seja ele no meio do reggae , rock ou rap , entre outros. Teresina é uma cidade de grande potencial cultural o que falta é OPORTUNIDADE para bandas novas. Já ta na hora de "democratizar" essa "seleçao" e botar coisa nova pra galera ver!!!!

    ResponderExcluir

Top