quinta-feira, 15 de março de 2018

Devilman Crybaby: O Melhor Anime da Netflix



No início desse ano, enquanto eu navegava pelo catálogo da Netflix me deparei com um anime cujo título me pareceu bastante monótono, se tratava de Devilman Crybaby. A imagem de destaque apresentada no site (que vocês podem ver no começo deste post), graças à sua simplicidade de traços e cores também não contribuiu muito para chamar a minha atenção, então segui em frente e acabei assistindo outras coisas. Ledo engano da minha parte.

Dias depois resolvi dar uma chance para o tal anime e fui surpreendido com uma das obras mais interessantes que assisti nos últimos anos. Devilman Crybaby é sem a menor dúvida uma obra-prima de roteiro, animação e trilha sonora. As discussões que são trazidas a tona e a crueza da representação dos personagens são de tirar o fôlego!

O Devilman Original

O mangá que deu origem à obra da Netflix se chamava apenas Devilman e foi criada pelo mangaká Go Nagai no começo da década de 1970. Go Nagai é o responsável por criar alguns conceitos que se tornaram populares entre os mangás atuais, como por exemplo o de robôs gigantes pilotados por seres humanos e a ideia de garotas mágicas, colegiais que se transformam para enfrentar os seus inimigos (tipo Sailor Moon).

Graças aos seus temas sombrios, roteiro complexo, violência e sexualidade explícita, numa época em que a maioria das obras era relativamente ingênua e direta, o mangá Devilman acabou se destacando. É claro que a obra também sofreu tentativas de censura por parte da sociedade japonesa, porém isto mais serviu para divulgá-la do que contê-la. A popularidade foi tanta que até hoje Go Nagai considera Devilman uma das obras que marcaram sua carreira, ao lado de Mazinger Z.

Ao longo das décadas houveram algumas adaptações da obra, seja em anime serializado ou através de OVAs, no entanto elas sempre foram comedidas quanto a violência e sexualidade. Isso acabava retirando muito da vitalidade de Devilman, pois a representação desnuda dos instintos animalescos que existe dentro dos seres humanos é uma das suas características mais fortes, tanto em termos de estilização visual quanto de construção da narrativa.

O Devilman Crybaby da Netflix

Dirigido por Masaaki Yuasa, um cara com um histórico bem psicodélico em sua carreira, e escrito por Ichirō Ōkouchi, o gênio por trás do maravilhoso Code Geass: Lelouch of the Rebellion, Devilman Crybaby é lançado na Netflix no dia 05 de janeiro de 2018.

Contando com 10 episódios de mais ou menos vinte minutos a nova adaptação tem liberdade total para o uso de cenas violentas, exposição de conteúdo erótico e construção de discussões controversas. Por causa da não necessidade de se censurar, como ocorre com as obras que são produzidas para serem exibidas na TV japonesa, criou-se uma expectativa enorme e o resultado final foi surpreendentemente satisfatório.

O que é ser humano? O Enredo de Devilman Crybaby!

O que torna o ser humano diferente dos outros animais? Esta é uma pergunta que vem sendo feita pela humanidade há milhares de anos e cada vez recebe uma resposta diferente. Para Aristóteles a razão é o que separa o homem dos demais animais, pois através dela o ser humano se comunica com os seus semelhantes e assim consegue organizar seus desejos e emoções. O homem seria essencialmente um ser político porque ele precisa mediar seus desejos, emoções e a realidade social. O filósofo considera que os animais só conseguem expressar satisfação ou desprazer, sendo, portanto, incapazes de realizar julgamentos e agindo sempre por instinto.

A razão, esta palavra tão cheia de significados e ao mesmo tempo tão pouco palpável, seria algo como um entendimento do mundo através do qual conhecemos o que é pretensamente sua realidade objetiva. Através da razão o homem consegue criar prioridades, consegue se desvencilhar das suas emoções e consegue planejar a sua trajetória futura. A linguagem é um elemento importante desse processo, pois ela é ao mesmo tempo uma maneira de expressarmos nossas próprias sensações e uma maneira de as controlarmos, através da atividade intelectual.

Nietzsche considera que o limite do nosso conhecimento é balizado pela linguagem que usamos. A linguagem, embora tenha sido importante para nos trazer até onde estamos, é também a nossa prisão inescapável. Ela é um dos fundamentos através dos quais os homens puderam se organizar em grupos e formar suas diversas sociedades, porém ela também é uma das grades que nos impedem de ir além.

Por que estou falando tudo isso? Bem, a meu ver a proposta de Devilman Crybaby é exatamente debater o que faz o homem ser o que é. Seria a razão ou a emoção? Essas duas coisas são realmente completamente diferentes?

No enredo de Devilman Crybaby temos demônios, entes que vivem no nosso planeta a milhões de anos e que tem como uma de suas características centrais poderem dominar outras criaturas vivas e realizarem mutações através dessas assimilações. Recentemente esses demônios se infiltraram entre os seres humanos ao dominarem os seus corpos e aprenderem a esconder sua verdadeira identidade. Eles estão espalhados entre a alta patente do exército, líderes de governos, atletas, cientistas e pessoas de influência.

Os demônios são representados a todo o momento como criaturas bestiais e sedentas pela realização imediata de seus desejos. São extremamente violentos, sádicos e descontrolados sexualmente. Eles representam tudo aquilo que a humanidade abdicou quando estabeleceu regras de convívio em sociedade e que muitas pessoas ainda fazem às escondidas.

Akira Fudo, o protagonista da série, é convidado por Ryo Asuka, seu melhor amigo e um dos maiores gênios do mundo, a enfrentar esses demônios que querem levar a humanidade ao fim. Ryo quer que Akira atraia, através de um ritual demoníaco, um poderoso demônio chamado Amon e o domine dentro de seu corpo. Assim Akira seria um demônio com um coração humano! Um híbrido! Um Devilman!

Durante a sua trajetória de Devilman, na qual ele enfrenta e mata dezenas de demônios, Akira vai compreendendo que embora sejam diferentes dos homens, essas criaturas não são apenas bestas descontroladas como Ryo os concebe. Mais do que isso, não sendo nem humano e nem demônio, Akira consegue enxergar como uma raça às vezes manifesta as características do outro. Há demônios que manifestam o amor tão idealizado por humanos e há humanos que são tão cruéis quanto demônios.

Todos os personagens de Devilman Crybaby, mesmo os secundários, são extremamente humanos e nos fazem lembrarmos de nós mesmos. Eles têm muitas características positivas e também um monte de falhas. É impossível terminar o anime sem sentir simpatia ou nojo de alguém. Nos últimos capítulos tem uma cena do garoto da família com a qual Akira vive que me deixou assombrado! Não vou dizer mais porque não quero estragar a surpresa para quem ainda vai assistir ao anime, mesmo que se trate apenas de um personagem secundário.

Eu discordo de que a obra é gratuitamente erótica, como tem sido dito por ai em todo lugar. O que ocorre é apenas que como o instinto é um dos temas mais importantes da obra, os roteiristas acabam tendo que retratar o corpo humano e os seus desejos com naturalidade. Por isso a meu ver todas as cenas de sexo e masturbação fazem sentido dentro da narrativa, não são colocados ali de maneira gratuita. Acho até que em alguns momentos pegaram foi leve demais, dando só sugestões em vez de realmente mostrarem algumas coisas.

Devilman Crybaby é um dos melhores animes dos últimos anos

Por retratar a complexidade humana com tanta maestria, por ter uma trilha sonora maravilhosa - quase toda composta só no sintetizador - e por tratar de temas espinhentos como religião e sociedade, não tenho a menor duvida de que Devilman Crybaby seja um dos melhores animes dos últimos anos.

No começo você pode estranhar um pouco os traços e cores simples da animação, esta que é uma das características do diretor Masaaki Yuasa, mas assim que vai se envolvendo na história é impossível parar de assistir e não apreciar essa obra-prima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Top